Arquivo mensal: maio 2014

As sobremesas argentinas imperdíveis do La Guapa

La Guapa é uma casa de empanadas aberta há poucas semanas no Itaim. Pequena e simples, tem apenas uma grande mesa comunitária, com espaço para cerca de oito pessoas, e um balcão. O pedido é feito direto no caixa, as empanadas são assadas na hora e saem do forno deliciosas. E, apesar de as estrelas ali serem os salgados, os doces são poucos porém preciosos e valem, sozinhos, uma passadinha.

Alfajor da casa de empanadas La Guapa

Alfajor da casa de empanadas La Guapa

A começar pelo mais tradicional: o alfajor (R$ 6). Eles são caseiros e frescos e ficam embalados em papel transparente e acomodados em uma cesta em cima do balcão, te provocando enquanto você faz o pedido das empanadas. Não resista. Incríveis, eles desmancham na boca a cada mordida.

O doce de leite tem sabor forte e o chocolate amargo que forma a generosa cobertura também é de qualidade. A massa é macia e se desfaz, dando só uma pequena equilibrada no doce e no chocolate. A combinação exala um perfume enebriante.

Mas o alfajor, como já vem embalado, pode ser levado para casa. Enquanto estiver ali, recomendo que vá de tabletón (R$ 12). O doce argentino, primo do mil folhas, é composto por camadas de uma massa bem fina, mas resistente, entremeadas por muito doce de leite caseiro e chocolate em pó amargo.

Tabletón da casa de empanadas La Guapa

Tabletón da casa de empanadas La Guapa

O tabletón vem acompanhado de chantily de cachaça para, segundo a simpática atendente, quebrar um pouco o doce. Estava com sabor muito forte de álcool e acabei deixando no prato. Achei desnecessário.

O La Guapa é iniciativa de Paola Carosella, chef do restaurante Arturito, e de Benny Goldenberg, do Mangiare. Faz entrega na região do Itaim.

La Guapa
Rua Bandeira Paulista, 446. Tel.: 3079-2631
http://www.laguapa.com.br
Anúncios

Purogusto: sorvetes cremosos e suaves na Oscar Freire

Foram tantas as sorveterias abertas em São Paulo nos últimos meses – como Frida & Mina e Casa Elli – que o verão pareceu curto. Mas o clima resolveu dar uma segunda chance e trouxe de volta o sol à cidade esta semana. Aproveitei a tarde ensolarada de domingo para conhecer a Purogusto.

Aberta na Oscar Freire em novembro de 2013, a Purogusto segue a cartilha italiana e afirma servir sorvetes totalmente artesanais.

Sorvetes de pistache, gianduia e caramelo com flor de sal na sorveteria Purogusto

Sorvetes de pistache, gianduia e caramelo com flor de sal na sorveteria Purogusto

Provei cinco sabores e em todos se vê um padrão: eles são bastante cremosos e a textura se mantém enquanto se aproveita o sorvete sem pressa, sem que ele derreta rápido demais. Outro ponto em comum é que os sabores são bastante sutis – às vezes até demais.

Duas lousas presas à parede atrás do balcão apresentavam, a giz, os sabores disponíveis no dia, uma anunciando as opções à base de leite e a outra, os sabores à base de água. Entre esses, havia sugestões como chocolate light, jabuticaba e açaí com banana, mas não resisti aos de leite, em sabores mais tradicionais, e fiquei só neles.

O de limão é bem refrescante e tem sabor delicado e equilibrado, enquanto pistache e gianduia estavam gostosos, com ótima textura e não muito doces. O caramelo com flor de sal, no entanto, estava um pouco salgado demais, enquanto o de baunilha pecou por estar muito apagado.

O copo pequeno, com até dois sabores, sai por R$ 10, enquanto o médio com até três sabores custa R$ 12 e o grande, R$ 14. O isopor com meio quilo fica em R$ 35.

O ambiente é espaçoso e, apesar do movimento razoável daquela tarde, foi possível sentar, e o atendimento foi ágil, sem fila. Não é o melhor sorvete da região – o mais famoso Bacio de Latte, por exemplo, está nas redondezas -, mas vale provar.

Purogusto
Rua Oscar Freire, 502. Tel.: 3062-1862
Site oficial: http://www.purogusto.com.br