Arquivo da tag: croissant

Três croissants de São Paulo para se sentir em Paris

Não é fácil – nem barato – encontrar bons croissants em São Paulo. É como se, acanhada diante da dificuldade de fazer um folhado correto, a cidade tivesse, com o tempo, se conformado com as aberrações massudas de padaria que alguém um dia ousou chamar de croissant. Mas com determinação (e uns trocados a mais) é possível achar bons exemplos dessa grande instituição francesa. Três deles podem ser provados na região dos Jardins.

Pain au chocolat da padaria Santo Pão

Pain au chocolat da padaria Santo Pão

Um bom pain au chocolat (massa de croissant dobrada em formato retangular com um filete de chocolate no meio) pode ser provado na Santo Pão. Na charmosa padaria chique, localizada na esquina da Padre João Manuel com a Oscar Freire, há pães variados, doces, salgados e até pratos completos. Fui até lá em uma tarde bonita de domingo e pedi, entre outras coisas, o pain au chocolat (R$ 7) com um bom suco detox (irônico, eu sei). A massa folhada é bastante amanteigada porém leve, a casquinha dourada estala ao ser cortada e faz uma sujeira danada na mesa, o que acrescenta à experiência uma diversão a mais. O recheio é comedido, mas de bom chocolate amargo.

Croissant de amêndoas da padaria 7 Molinos

Croissant de amêndoas da padaria 7 Molinos

Em outro canto do bairro, na alameda Lorena próximo à rua da Consolação, está a 7 Molinos com a mesma proposta de fazer bons pães e servir um cardápio de sanduíches e pratos para todas as horas. Na vitrine tentadora, entre outras delícias, o croissant de amêndoas brilha (R$ 8,20). Com um creme de amêndoas rico e açucarado, amêndoas torradas por cima e uma massa um pouco mais pesada, acompanha bem um café.

Já para quem prefere o croissant simples, sem recheio, o destino certo é o tradicional Le Vin. A boulangerie fica na alameda Tietê próximo à rua Augusta, em frente ao restaurante do grupo. Da cozinha aparente saem pães e doces franceses que encantam os olhos. Na parede, cestos abrigam croissants daqueles que produzem a sensação de que Paris está logo ali, dobrando a esquina. Eles são vendidos em dois tamanhos (R$ 4,80 o grande), peça obedecendo ao tamanho da sua vontade no dia e leve para casa. Mas leve um a mais para o dia seguinte, com certeza vai dar vontade de repetir.

Santo Pão
Rua Padre João Manuel, 968.Tel.: 2309 5594
www.santopao.com.br
 
7 Molinos
Alameda Lorena, 1914. Tel.: 3063 4433
www.7molinos.com.br
 
Le Vin Boulangerie
Alameda Tietê, 179. Tel.: 3063-1094
www.levin.com.br
Anúncios

Sonhos da Dulca entregues em casa

Todos os doces de padaria queriam ser como os sonhos da Dulca. Tradicional, reconfortante, simples em sua concepção e perfeito na execução. Sua massa é leve, fofa, e é recheada com um creme de confeiteiro com sabor de baunilha para valer, com uma textura delicada, verdadeiramente cremosa, e na quantidade ideal para estar presente em cada mordida.

Sonho da doceria Dulca entregue em casa

Sonho da doceria Dulca entregue em casa

Eles são produzidos desde a década de 1950 com uma receita que foi sendo aperfeiçoada com o passar das décadas. E este ano, para se adaptar ainda mais aos tempos, a Dulca aderiu a um sistema de entrega. Agora, com um pequeno planejamento, é possível provar esses sonhos delirantes – e outras delícias – sem sair de casa e com dia marcado. Resolvi provar o serviço e, nesse teste único, ele funcionou bastante bem.

A encomenda é feita pelo site Rakuten a partir de um link na página oficial da Dulca. Lá, é possível colocar na sacola de compras, além dos sonhos, produtos como bombas, tortas, brigadeiros, chocolates e pães. Pedi quatro sonhos por R$ 7 cada e uma embalagem de croissants de 160gr por R$ 12.

Depois de passar pelos procedimentos normais de cadastro, é possível agendar a entrega. O agendamento, em geral, pode ser feito para qualquer dia útil, em horário comercial, contando a partir do segundo dia depois da compra. Fiz o pedido no início da semana e marquei a entrega para a sexta-feira.

Os sonhos chegaram no dia marcado, no período da manhã. Vieram em uma enorme caixa de isopor (grande demais, poderiam diminuir pelo bem do planeta) bem lacrada e com aviso de que se tratava de alimento perecível. Dentro, duas caixas de papelão lacradas com plástico: a maior acomodava bem os sonhos sem nenhum aperto enquanto a menor guardava os croissants.

Doces da Dulca entregues em casa: caixas embaladas em plástico lacrado

Doces da Dulca entregues em casa: caixas embaladas em plástico lacrado

Tanto os sonhos quanto os croissants estavam fresquíssimos e em perfeitas condições. Garantiram uma sexta-feira de alegria e eu só tive o trabalho de fazer o café.

Dulca
Site oficial: dulca.com.br

Waffle com chocolate no Le Pain Quotidien

Tenho muito carinho pelo Le Pain Quotidien, a rede belga de padarias que chegou ao Brasil em 2012. E carinho é a palavra certa porque eu sei que é um lugar com defeitos (os altos preços, o ar de falso despojado, as mesas comunitárias sem privacidade, as bebidas quentes servidas em bowls sem alça que queimam as pontas dos dedos), mas continuo gostando de lá mesmo assim, principalmente por causa dos doces que me arrancam suspiros.

Waffle com frutas vermelhas e calda de chocolate do Le Pain Quotidien

Waffle com frutas vermelhas e calda de chocolate do Le Pain Quotidien


Esse sentimento começou pelos spreads de fabricação própria, em especial o Blondie, de chocolate branco. Cremoso e de sabor único, vai bem com qualquer pão doce ou na colher mesmo, puro, e é um item que eu escolheria para levar para a ilha deserta sem pestanejar. Infelizmente os spreads (que também podem ser de chocolate amargo e avelã) chegam ao Brasil caríssimos, na faixa dos R$ 40 o pote de 400g, e vivem em falta, barrados na alfândega. Também são notáveis na rede os croissants, as tortas e os pães feitos com ingredientes orgânicos.

Nas unidades que eu conheci em São Paulo, no Itaim e na Vila Madalena, as tortas, muffins, bolos e outros quitutes disponíveis no dia ficam no balcão logo na entrada, protegidos por um vidro, e escolher é um sacrifício. Na dúvida, há versões mini de alguns doces para provar vários sabores sem explodir. Mas da última vez que estive em uma das casas, eu queria bastante açúcar e optei por um peso pesado: o waffle.

De massa firme por fora mas fofa por dentro, o waffle de formato oval chega à mesa polvilhado com açúcar e coberto de morangos picados e mirtilos, ambas as frutas bastante saborosas. À parte, vem uma jarra pequena cheia de chocolate belga derretido e ainda quente. A doçura e o calor da massa e do chocolate contrastam com a acidez das frutas frias e cada garfada é um deleite.

Cookies com gotas de chocolate do Le Pain Quotidien

Cookies com gotas de chocolate do Le Pain Quotidien

Como tudo na rede, no entanto, o waffle não é barato: ele custa R$ 18. Mas saí de lá tão feliz que considerei um investimento bastante válido.

Acabei também levando para casa um pacotinho com dois cookies com chocolate. Casquinha crocante e interior macio, muitas gotas cremosas de bom chocolate (às vezes gotas demais), muito perfume. Gostoso porém pesado, um é suficiente para satisfazer. Ainda bem, porque o pacote com dois sai por R$ 5,90.

Le Pain Quotidien
Vila Madalena: Rua Wisard, 138. Tel.: 3031-6977
Itaim: Rua Pais de Araujo, 178. Tel.: 3078 0383
Mais endereços no site oficial: http://www.lepainquotidien.com.br

Montevidéu – Medialunas Calentitas

Em Montevidéu, as medialunas são obrigatórias. Comuns, cotidianas, facílimas de encontrar em qualquer canto. Para eles, uma presença ordinária nas mesas e vitrines. Para nós, turistas, uma pequena alegria.

Versões platinas do croissant, as medialunas podem ter tamanhos diversos, ser mais ou menos folhadas, ter recheio ou não, não existe regra. Muitas dessas variações podem ser encontradas num mesmo lugar: Medialunas Calentitas.

Lá as estrelas são as medialunas pequenas cobertas apenas com uma fina casquinha de açúcar (20 pesos uruguaios). Mas resolvemos abusar e pedimos as grandes recheadas de doce de leite (45 pesos uruguaios). O recheio é farto, fica até difícil comer sem fazer sujeira, e o sabor marcante do doce de leite uruguaio fica uma delícia com a sutileza da massa.

Imagem

Medialuna com recheio de doce de leite da Medialunas Calentitas, em Montevidéu

 

Além de medialunas, o cardápio tem também opções salgadas. Provamos empanadas e um sanduíche de miga e ambos estavam apenas ok. Melhor ficar só nos doces mesmo.

A pequena rede possui dois endereços em Montevidéu e mais quatro em outras cidades – um deles em Punta del Este. Por força das circunstâncias, conheci os dois da capital. Na rua 26 de Marzo, 1161, fica em um sobrado com uma decoração simples, mas bonitinho. Já na 21 de Setiembre, 2982, o espaço é escuro, mal cuidado e até um pouco sujo, não convida a passar muito tempo. Mas uma parada rapidinha para a sobremesa vale a pena.

Medialunas Calentitas: Site oficial